quarta-feira, agosto 29, 2007

HIPERTEXTO QUASE UNILATERAL


Fotografia de Edilson Pantoja
“Posso ajudar em alguma coisa?”
“Acho que não.”
Mesmo assim ela sentou-se a meu lado na mureta que deixava nossos pés a mal tocarem a grama. Não disse mais nada. Eu também não disse. Apenas olhei na direção oposta. O vento agitou as árvores, de leve, antes de chegar a nós. Derrubou folhas. Quando passou, era todo café fresco. Pensei no caldeirão de ferro em que se torrava café. Vi mulheres em dupla à beira do pilão, o pu-pu-pu alternado das mãos de pilão. O vai-vém de ancas e saias sob a cantoria secular vinda do Maranhão. Revi o cafezal que rodeava a casa de meu avô. Ouvi-lhe a voz grave num ralho pleno de anteontem. Andei de novo à sombra das mangueiras do caminho. Pensei em pães quentes, manteiga derretida, e flechas de malva... Desconheço em que ela terá pensado. O certo é que ficamos, por todo o resto das horas, a ver o sol deslizar vermelho sobre a baía.
Nossas mãos tocam-se sobre a mureta. Nossos pés roçam a grama. A noite caiu de pára-quedas. Veio só. Se quisesse, bem poderia trazer consigo o fim do mundo...

10 comentários:

Ciça Donner disse...

A noite sempre trás sonhos... quando termina tras o comeco de um novo

clarice ge disse...

Que momento esse.
Tão perfeito que até recolhe aromas do tempo.
Doce demais sentir-se assim, Edilson.
carinhos

Pedro Pan disse...

, mãos que tocam e sentem o aroma de café...
, "A noite caiu de pára-quedas." é magistral...
, abraços meus.

Silvia 'Sam' Cássivi disse...

LINDO demais esse texto!!!

Só uma coisa:aconteceu mesmo?
rs

Chucho disse...

Já me pesa
Nas pálpebras que tremem o oco medo
De nada ser, e nem ter vista ou gosto,
Calor, amor, o bem e o mal da vida.

(Pessoa)

Chucho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
gdec disse...

Estive algum tempo longe -daqui- e agora vim ver-te.
Bom e triste. Melhor, talvez : nostálgico.
um abraço
Geraldes de Carvalho

gdec disse...

Que se passa, meu amigo ? Há já bastante tempo que V. não nos dilicia com um dos seus belos textos .
Um abraço
Geraldes de Carvalho

Cirineu disse...

Caramba!
Em qual livro eu leio o resto?!

Filho da Amazônia disse...

meu amado amigo...me sinto leve sempre que leio seus belos textos...saudades...tiese junior.